Pedidos de medidas proretivas para mulheres vítimas de violência aumentam 20% no Pará

0
317

Foto: Divulgação

As concessões de medidas protetivas para mulheres vítimas de violência aumentaram cerca de 20% no Pará de 2017 a 2018, de acordo com a Polícia. Em 2018, foram 4218 pedidos – 617 a mais que em 2017, quando foram registrados 3601. As solicitações são analisadas em no máximo 48 horas.

O crescimento, segundo a delegada da Mulher, Adriana Norat, tem a ver com o aumento de ocorrências policiais registradas pelas vítimas nas delegacias. “O descumprimento das
medidas protetivas se tornou crime em abril de 2018, por isso pode ter incentivado as mulheres a denunciarem mais”, explicou. Uma mulher, que prefere não ser identificada, contou que é agredida pelo ex-marido há dez anos. Eles se separaram há um ano, mas, segundo o relato, ela continua sofrendo violência psicológica. “Nós temos três filhos, e todas as vezes que eu tenho que falar com ele, ele me humilha, me maltrata, maltrata meus filhos… e isso está me deixando muito mal”, disse. A profissional médica que a vítima procurou recomendou que o caso fosse relatado à Delegacia da Mulher. “Ela (a médica) disse que isso é uma agressão. E eu pensei que agressão fosse só de bater fisicamente”, contou. Depois disso, a mulher deve entrar com pedido de medida protetiva, que pode afastar o agressor para garantir a integridade física e psicológica.
Além de afastar o agressor, as medidas ajudam a reestruturar o lar das vítimas em caráter emergencial, principalmente das mulheres que têm filhos. Segundo o promotor de Justiça
Franklin Prado, as medidas têm caráter amplo. “Ela não só afasta o agressor, como institui em primeiro momento a guarda dos filhos à vítima, podendo estipular pensão alimentícia
e ainda que o agressor não mantenha contato por telefone ou qualquer outro tipo de comunicação”, explicou.
Para a delegada Norat, a partir do momento que o descumprimento passou a ser crime, e toma-se conhecimento de que o agressor pode ser preso, a medida passa a ter maior
efetividade. “As mulheres começam a se sentir mais seguras e a informar a ocorrência à Polícia”, disse. Para a vítima entrevistada, a medida pode ajudar a seguir a vida. “Eu não sei como vai ser daqui para frente, então estou me sentido mais segura, com mais força para seguir”.
Casos de abuso e violência contra mulher devem ser denunciados pelo Disque Denúncia, no 181, ou na Delegacia da Mulher mais próxima.

(G1 PA)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here